Sala de aula invertida: a educação virou de ponta-cabeça?

Sala de aula invertida: a educação virou de ponta-cabeça?

Desde os primeiros passos na educação superior no Brasil, ali pelo ano de 1808, muita coisa mudou. Vimos a quantidade de cursos e instituições se multiplicarem e a estréia de novas modalidades entrarem em cena, como o ensino a distância e o ensino híbrido.

Não era de se estranhar então que surgissem novos métodos e técnicas para dar suporte às novas necessidades do ensino, como a sala de aula invertida, por exemplo.

Neste formato, os papéis tradicionais tanto de professores como de alunos funciona diferente do que estamos acostumados: o aluno é quem conduz seu aprendizado, com o professor ocupando mais um lugar de mediador.

Peraí, o que é sala de aula invertida então?

Você leu corretamente: o aluno é o guia do seu próprio conhecimento. Não é que o professor deixa de ter importância, pelo contrário: para que possa funcionar, a sala de aula invertida precisa ser muito bem pensada e contar com as ferramentas certas à sua disposição.

Por falar em ferramentas, a Educação 4.0 vêm dar todo o suporte necessário para que a sala de aula invertida exista, e, mais do que isso, para que também seja um sucesso.

Como? Permitindo que os estudantes usem todas as TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) para assimilar os conteúdos antes mesmo das aulas.

Parece que estamos falando grego? Tranquilo, a gente explica: na sala de aula invertida, os estudantes aprendem a parte teórica antes, usando ambientes virtuais de aprendizagem, vídeos online e inclusive recursos interativos, como jogos virtuais, para mergulhar profundamente no assunto.

Mas, se o aluno aprender antes, para que serve a hora da aula em si? A resposta é simples: o tempo em sala é usado para que cada um mostre o que aprendeu, compartilhe suas dúvidas e discuta com os colegas sobre os conteúdos por meio de dinâmicas de grupo.

O que a sala de aula invertida tem de bom?

Fala a verdade, você prefere o formato tradicional onde o professor faz um monólogo interminável e todo mundo fica calado sem participar, e só fala na hora de responder perguntas? Nós e as metodologias de ensino inovadoras acreditamos que não.

Este formato permite que a interação em sala de aula seja muito, muito maior. Como os alunos assumem o papel de protagonistas da condução de seus estudos, sentem-se mais livres para dedicar mais atenção a aspectos que mais lhe interessem em cada assunto.

Por isso mesmo, o estudante acaba se envolvendo de forma mais intensa com a matéria, já que pode desenvolver seu interesse por pontos específicos, sobre o que quer que esteja estudando.

Por exemplo, se você estiver estudando o hino nacional e quiser explicar que a parte que diz “ouviram do Ipiranga” tem relação com o grito de independência, dado por dom Pedro, às margens do rio que existe em São Paulo, vai ter toda a liberdade para isso.

Se for para pensar nas vantagens e desvantagens da sala de aula invertida, fica claro que ter alunos mais ativos em sala de aula só traz benefícios, tanto para a aula em si como para a formação, como um todo. Afinal de contas, ninguém quer mais ficar sentado só recebendo informação sem poder participar, certo?

Também poderíamos destacar outras vantagens da sala de aula invertida, tais como um melhor aproveitamento do tempo, já que todo mundo já chega na aula com o conteúdo na cabeça.

Outra vantagem é que você aprende no seu ritmo, já que tem todo o tempo do mundo para estudar antes, e não somente no momento da sala de aula.

O que você achou?

Entendeu o que é sala de aula invertida e quais são suas vantagens? Aliás, mais do que benefícios, o que você acha de começar a ter mais participação nas decisões de sua própria educação?

Continue acompanhando nosso blog e confira mais dicas de estudo!

Logo Unisales